Opinião

Vamos desmistificar o Marketing de Influência

Se a palavra marketing é uma das que mais se ouve no nosso dia a dia enquanto um dos pilares fundamentais de qualquer marca, o conceito de marketing de influência começou a ter o seu protagonismo. Apesar de não ser recente, a verdade é que ainda existe algumas dúvidas e até ceticismo no que respeita à forma de como funciona e como poderá ser rentabilizada essa ferramenta na hora de comunicar de forma eficaz.

quarta-feira, 11 maio 2022 09:42
Vamos desmistificar o Marketing de Influência

Como o próprio nome indica, marketing de influência compreende uma parceria entre uma marca e produtores de conteúdo digitais que demonstram influência sobre uma determinada audiência. Partindo deste ponto, torna-se simples entender o potencial de alcance de comunicação de que estamos a falar, mas é necessário que esta ponte entre as marcas e os influencers seja feita de forma estratégica, orientada e impactante de forma positiva.

Citando Peter Drucker, “a meta do marketing é conhecer e entender o consumidor tão bem, que o produto ou serviço se molde a ele e se venda sozinho”, e a verdade é que algumas marcas já começam a entender e a implementar as suas estratégias junto de influencers que irão ser fundamentais na divulgação, comunicação e até no posicionamento de determinado produto ou serviço.

E alguns leitores questionam-se: “quem são estes influencers?”. De forma bastante simples, os influencers são perfis com forte pegada digital que apresentam um grande engagement com a sua audiência e que se podem focar nos mais diversos temas. Normalmente, têm um elevado número de seguidores – dos quais alguns poderão ser fake mas para o qual já existem ferramentas de controlo – e produzem conteúdo com qualidade, adaptado ao seu público e sedutor. Atualmente, poderão ser chamados de key opinion formers já que o público vê nestes perfis confiança e segurança. Não é por acaso que, cada vez mais, falamos de pessoas para pessoas, e não de marcas para pessoas.

“E o custo?”, poderá ainda questionar-se. Comparado, por exemplo, com outras formas de comunicação, como publicidade em televisão, terá certamente um custo reduzido e uma eficácia provavelmente maior. A título de exemplo, segundo a revista americana Entrepeneur, 26% dos users de desktop usam bloqueadores de anúncios, espelhando a fuga do utilizador à publicidade. Assim, correlacionando o custo com a eficácia do marketing de influência conseguimos facilmente identificar uma campanha de sucesso. Mas enquanto em Portugal ainda se desconfia do poder do marketing de influência e até das novas plataformas (Tiktok, Twitch ou mesmo novos formatos), em outros países a união do live commerce & influencer marketing é cada vez mais utilizado! A título de exemplo, quantas marcas irão rentabilizar o Shorts, o novo recurso do YouTube para vídeos curtos? As ferramentas são várias, mas a ousadia em arriscar parece diminuta.

A construção, planeamento e implementação de qualquer campanha são os aspetos críticos para o arranque de qualquer estratégia de marketing, sem excluir a importância de medir de forma precisa a audiência o que é possível com profissionais que irão indicar de forma personalizada o que funciona e o que não funciona, e o que irá gerar melhor engagement para cada campanha, poupando tempo e dinheiro a qualquer marca.

O elementar é ter respostas, tomar decisões, otimizar a estratégia e manter o conteúdo e os canais com melhor desempenho, tendo em top of mind que o marketing de influência alcança resultados bastante positivos e mensuráveis!

 

Bruno Salomão, Country Manager da SocialPubli em Portugal

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

bt nl

2050.Briefing

O Outdoor Honesto

À Escolha do Consumidor

Edições Especiais

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing